sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

A DOBRADINHA PERFEITA

A DOBRADINHA PERFEITA
(Por Denize Vicente)

Conta-se a história de u'a mulher que morava lá, bem lá... longe, longe, bem longe, no interior do interior de Minas Gerais. A casa dela ficava no pé do morro e ela se sentia muito triste por morar naquele lugar - não porque fosse longe, mas porque todas as vezes que chovia descia uma enxurrada tremenda e sujava o quintal inteiro. Isso a deixava muito chateada, insatisfeita e irritada. Uma trabalheira tremenda, tudo ficava sujo, e isso não era legal pra ela. Aí, numa noite, ela foi a uma igreja. E a mensagem que ouviu lá foi justamente sobre o versículo 23 do capítulo 11 do livro de Marcos. Nossa! O coração daquela mulher se encheu de esperança. Uma das versões desse verso da Bíblia (“Nova Tradução na Linguagem de Hoje”) diz o seguinte:

"... Porque em verdade vos afirmo que se alguém disser a este monte: 'Ergue-te e lança-te no mar', e não duvidar no seu coração, mas crer que se fará o que diz, assim será com ele."

Então, na sua mente e no seu coração, aquela mulher se encheu de esperança! Ao chegar a sua casa, foi logo dormir... mas acordou bem cedinho, de madrugada ainda, e discretamente saiu para o quintal; lá, de camisola, descabelada, e ainda com sono, ajoelhou-se diante do monte e orou pedindo que o monte fosse removido; que ele se levantasse e se atirasse ao mar.

Quando acabou de orar, abriu os olhos e... O monte estava no mesmo lugar!!

Só um pouco admirada, ela disse: "Também... pudera! Eu não acredito nisso! Sabia que não ia funcionar!".

Dá pra perceber como são as coisas? Pode parecer engraçada, à primeira vista, a história da mulher, um pouco admirada, mas parece que é isso o que a gente faz, muitas vezes. Não acredita. A gente duvida, no coração...

Em outras tantas vezes, você sabe o que acontece? A gente acredita. Não duvida... porém espera que Deus faça o trabalho da gente. A gente acredita que pode acontecer, mas pede pra Deus falar pra montanha: “Ei, monte, levante-se e atire-se no mar!”. E fica sentado, deitado ou ajoelhado, esperando o milagre acontecer...

Já não sei se é a fé que remove montanhas, como se costuma dizer... Relendo esse verso da Bíblia entendi que o que remove a montanha (de problemas, da dor, das enfermidades...) não é bem a fé. Ela é necessária, mas não é suficiente. Não basta. Veja o que está escrito: "... se alguém disser... e não duvidar no seu coração, mas crer que se fará o que diz, assim será com ele.".

Basta ter fé e não duvidar no seu coração? Não. Isso não é o bastante. É preciso falar, usar a força da palavra: “... se alguém disser...”. Então, ter fé é o primeiro passo; mas é preciso ir adiante.

Até ontem eu acreditava que bastava a fé para que a montanha se jogasse no mar, e muitas vezes, só pela fé guardada no meu coração, eu recebi a bênção mesmo assim. Mas, pensando bem, concluo que Deus espera um pouco mais de mim e eu preciso dar menos trabalho a Ele. É preciso não duvidar no meu coração mas também falar à montanha; mandar que ela saia da minha frente e se jogue no mar. Se eu disser, sem duvidar, se eu crer que se fará o que digo, assim será. Está escrito.

De agora em diante, deixando pra Deus apenas o que só Ele pode fazer, e assumindo a minha parte, vou me permitir não apenas crer, mas também dizer. E será, então, a oportunidade das coisas incríveis. Não é o poder da palavra, isoladamente. Nem, exclusivamente, a força da fé. É a fé e o agir. A dobradinha perfeita.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe também, comentando!