sexta-feira, 20 de outubro de 2017

DESPEDIDAS NUNCA MAIS




DESPEDIDAS NUNCA MAIS
Denize Vicente - Toronto/ON - Canada # Guarulhos/SP - Brasil


Ontem à noite eu estava no aeroporto de Toronto, no Canadá.
Meu destino era o Rio de Janeiro. Agora estou em Guarulhos, São Paulo,
fazendo conexão. 
Eu estou indo de volta pra casa.



Ter que deixar os queridos lá, mesmo com data certa pra voltar,
sempre dói. 
Sempre tenho vontade de chorar, sempre quero
abraçar dez vezes, beijar muito,
reunir pra fotos...
Meu irmão foi comigo até a última portinha. 
E eu o abracei e beijei de novo,
muitas vezes, como se não tivesse feito isso em casa... 

Aeroportos são cenários típicos das histórias de amor, 
em qualquer lugar do mundo, mesmo em São Paulo, 
onde parece que os aeroportos foram feitos somente para
o embarque e desembarque de pessoas que vêm ou vão trabalhar, apenas. 

Mas até mesmo aqui a gente consegue ver cenas de amor,
histórias de amantes, gentes que amam.
São telefones que tocam,
ligação que se faz,
abraços de reencontro,
beijos de despedida...

A verdade é que todos nós desejamos
alguém que sinta a nossa partida;
e esperamos alguém que anseie pelo nosso retorno.


Minha família daqui me espera. A tecnologia permitiu
que a gente se visse
e se falasse, mesmo com toda a distância. 
Mas nada substitui o toque. Estou ansiosa para o abraço...

É mesmo paradoxal. A gente tá aqui, vê e fala com os que estão lá, 
mas sente falta de estar junto com eles, 
brincar e se abraçar; 
e quando está lá sente falta do abraço,
do riso, das brincadeiras dos que ficaram aqui.

A realidade é que a gente nasceu pra viver junto, e a separação, 
não importa a razão, nos incomoda...

Eu sonho com o dia em que estaremos todos juntos para sempre, 
num lugar de paz e muito amor.
Onde haverá abraços e beijos, mas nunca de despedida. 
Final feliz e sem fim.

Quando eu era criança, a gente fazia parte da Igreja Adventista do 7º Dia, 
em Olaria, no Rio, e lá se costumava cantar uma linda música. 
Eu saí de lá aos seis anos de idade, 
mas aquela música nunca nunca saiu da minha cabeça. 

Com autoria de J.H. Tenney, ela teve mais de uma versão em Português, 
e eu queria compartilhar com você a versão mais recente dela.

1. Quão bom, amigos meus, 
É termos encontro aqui feliz, 
Mas sempre vem a hora triste 
Em que adeus se diz. 

Jamais se diz adeus ali, 
Jamais se diz adeus; 
No eterno lar de amor e paz, 
Jamais se diz adeus. 

2. Quão doce é lembrarmos 
Que quando Cristo aqui voltar, 
Nós juntos viveremos 
Para nunca mais nos separar. 

3. Não mais teremos dor 
E nem despedida lá no lar, 
Mas grata união e paz 
Iremos pra sempre desfrutar.


Bom retorno pra quem tá retornando, boa viagem pra quem tá se despedindo,
e muito sonho pra todos nós que queremos viver
a experiência do "despedidas nunca mais".
Eu sonho com o Novo Céu e a Nova Terra, onde as lágrimas e as despedidas não existirão. Apoc. 21:1-4. 
Maxine Dowd Jensen escreveu: “Gosto de sonhar. 
Tenho certeza, agora mesmo, de que Deus tem um pequeno lugar no Céu
com aquele cheirinho gostoso que eu sentia quando minha mãe fazia pão.”.

Pode começar a viajar... Imaginando o cheirinho gostoso que vai fazer você se sentir em casa!

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

LIVRO: MIL CAIRÃO AO TEU LADO

LIVRO: MIL CAIRÃO AO TEU LADO
Carina Baptista - Texas - USA

Oi pessoal, tudo bem??

Qual foi a maior prova que você já teve em sua vida? Pensando rapidamente, o que foi mais difícil de suportar, para o que você achou que não teria força? Eu, honestamente, após a leitura deste livro, sinto vergonha em apenas pensar em chamar de provação alguma cosa difícil pela qual passei (ou até mesmo dizer que foi difícil).

O livro "Mil cairão ao teu lado" conta a incrível história de um homem de 40 anos e sua família, após ter sido convocado a participar na companhia Pioneira de Adolph Hitler. Como Adventista do Sétimo Dia, vegetariano e guardador do sábado¹ ele era constantemente alvo de zombaria dos seus colegas de batalha, mas sua fidelidade, inteligência e confiança em Deus ficaram evidentes a todo o tempo e fizeram toda diferença.

Como pessoas de bem, independentemente da religião que tenhamos, não desejamos a guerra. Acontece que também estamos, o tempo todo, no campo de batalha da guerra do Bem contra o Mal. Precisamos nos preparar a cada dia para enfrentar o inimigo que almeja não só, inutilmente, vencer a guerra, mas aumentar o seu exército.

Eu recomendo a leitura desse livro, primeiro porque a história é incrível, segundo porque foi muito bem escrito e a leitura é atrativa, e, por último, para você aprender a desenvolver a gratidão pelo que você tem e por ainda vivermos num período em que não vivenciamos uma grande guerra física. Espero que você aprenda, assim como eu, por meio da história dessa fiel família, que Deus sempre está conosco, até mesmo quando acreditamos que não está.

"Caiam mil homens à tua esquerda e dez mil à tua direita, tu não serás atingido." Salmos 91:7

Leia e depois me conte o que achou! Que você tenha um dia lindo!
Um beijo e até semana que vem!

__________________________
Referência:

1 - Êxodo 20:8 

      

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

O REGRESSO

O REGRESSO
João Octávio Barbosa – Bento Ribeiro City – RJ

“O Regresso” foi o ganhador do Oscar de Melhor Filme de 2016. Quem assistiu sabe o porquê. A história contada é de Hugh Glass, explorador americano que viveu entre 1780 e 1833, e durante uma de suas jornadas pelo desconhecido velho oeste americano, foi atacado por um urso e ficou próximo da morte.


Interpretado por Leonardo di Caprio (que por isso recebeu seu primeiro Oscar como ator), Hugh teve a caridade do líder da sua expedição para ser levado, mesmo moribundo, até onde se pôde andar sem que ele se tornasse um fardo intolerável. Então, ele é deixado para trás, com a guarda de seu filho e mais dois expedicionários a fim de primeiro se recuperar um pouco antes de seguir caminho.

A película dirigida por Alejandro Iñárritu (que, adivinha, também ganhou um Oscar!) é realmente muito bonita. Toda gravada em luz natural, em lugares que geram visuais sensacionais. Rios, campos cobertos de neve, florestas naturais.


O filme faz importantes críticas sociais sobre exploração da natureza e o tratamento indevido aos indígenas e grupos minoritários. Além disso, ele vai gradativamente se tornando num thriller alucinante de ação, enquanto o protagonista vai vencendo todas as barreiras e traçando um caminho de perseguição a quem o abandonou.

Não vou considerar um spoiler avisar que Hugh Glass volta para se vingar (mais à frente, sim, darei spoliers adoidado, mas com alerta). Afinal, o título do filme já avisa que ele vai voltar. “Ele vai voltar”... Você já ouviu essa frase antes, né?

Os quais lhes disseram: Homens, por que estão olhando para o céu? Esse Jesus (...) há de voltar assim como para o céu vocês o viram ir.
Atos 1:11

A volta de Hugh Glass para a civilização, após passar pelo carinho do urso da floresta, a perseguição de índios e outros exploradores da fome, do frio, das feridas, da dor emocional da perda do filho e da solidão do abandono dos amigos é realmente incrível. Mas o regresso de Jesus à Terra é, sem dúvidas, a volta mais incrível que veremos;  afinal, Ele não superou uma “quase morte”, mas, sim, uma morte plena. 


SPOILER FINAL. Hugh Glass consegue bem mais que sobreviver, é verdade. Recupera a saúde, vence seu inimigo principal, e tem sua vida recuperada quase por completo. A dor da perda de sua esposa e de seu filho permanecerá para sempre, porém, agora, ele tem esperança.

Todos nós deveríamos ter também. A morte e ressurreição de Jesus são duas partes primordiais da salvação que temos garantida no nome de Jesus. Não obstante, isso seria incompleto sem a volta dEle, que está mais perto de acontecer do que nunca. Os eventos catastróficos ao redor são prenúncios disso, profetizados há milhares de anos.

Vou dar um exemplo real, para não parecer discurso de boteco: “Guerras sempre existiram, não tem nada demais em haver agora”, podem dizer os céticos, e é verdade. Mas, quando os exploradores europeus massacravam os índios americanos no século XVI, o mundo não estava ameaçado de destruição. Hoje, a qualquer momento em que Trump ou Kim Jong-Un acordarem de mau humor e... você sabe.

A frase é batida, mas ainda vale: Jesus está voltando. Volte para Ele antes.


Porque o mesmo Senhor Jesus descerá do céu com pompa, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro.
Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor.
Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras. 
I Tessalonicenses 4:16-18 (Tradução livre)

Não peço que concordem, espero que reflitam!

terça-feira, 17 de outubro de 2017

CRENÇAS - 28 - PARTE FINAL

 
CRENÇAS - 28 - PARTE FINAL
Airton Sousa – Direto de Paciência – Rio de Janeiro
 
Eu gostava muito de uma canção chamada “Balada de um homem sem rumo”. Era um bolero meio tristonho, mas que me chamava muito atenção:
 
“Deve haver um lugar bem distante
Outro céu, outra terra, outro mar
Onde a vida não para e nada se transforma
Onde tudo é paz e ninguém viva a chorar
 
Caminhando, sem rumo, eu vou sem destino
Procurando encontrar um mundo melhor
Onde eu possa viver sem sofrer nem chorar
E que a paz e o amor eu consiga encontrar”
 
Essa letra de Francisco Petrônio me tirava o fôlego e os meus olhos se enchiam de lágrimas quando eu cantava sozinho... mesmo sem entender o seu significado eu chorava. Sabe quando você anseia por um lugar, onde você possa viver seguro, em paz e com muito amor? Esse lugar existe, sim. Quer se arrepiar de verdade? Então leia esta passagem bíblica:
 
“Olho nenhum viu, ouvido nenhum ouviu, mente nenhuma imaginou o que Deus preparou para aqueles que o amam” (I Coríntios 2:9).
 
Tente imaginar um lugar perfeito. Existe um lugar onde o amor não tem limites? Existe um mundo perfeito?
 
Seja o que for o que você imaginar será inadequado. Você não conseguirá imaginar. O céu é mais que um lugar. Fixe-se no céu. Sonhe com o céu. Deseje o céu. Feche os olhos mais um pouquinho só: “Ninguém jamais imaginou o que Deus tem preparado para aqueles que o amam”. Não... você não consegue. Nenhuma música, nenhuma imagem do céu, nenhum quadro pintado pelo artista mais famoso e talentoso conseguiria descrever a beleza do céu.
 
 
“Vi novos céus e nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra, passaram. O mar já não existe.”. (Apocalipse 21:1).
 
A nova terra é o lugar onde habitaremos. Estaremos lá fisicamente, mas glorificados. O conceito de que o céu é nas nuvens e que nós seremos espíritos flutuantes não é bíblico. O Céu é um lugar físico onde os que creem viverão. Será um novo e perfeito planeta. Livre de pecado, maldade, enfermidade, sofrimento e morte. “A única lembrança que teremos do pecado, serão os sinais de crucifixão em nosso Redentor. Em sua fronte, em seu lado, em suas mãos e pés, estão os únicos vestígios da obra cruel que o pecado efetuou.” (História da Redenção, CPB, página 430)
 
Deus estará conosco. Habitará conosco Ele será nosso Deus e nós seremos seu povo. ”E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram.” (Apocalipse 21:3 e 4)
 
“Na cidade de Deus, não haverá noite. Ninguém necessitará ou desejará repouso. Não haverá cansaço em fazer a vontade de Deus e oferecer louvor a Seu nome. Sempre sentiremos o frescor da manhã e sempre estaremos longe do seu termo”. (História da Redenção, página 431).
 
Jesus está aguardando ansiosamente para dar a cada pessoa maravilhas nunca contadas nem imaginadas. Alegria perfeita para toda a eternidade. Eu creio que ele foi preparar um lugar e anseio morar nessa nova Terra com Ele.
 
Agora, sim, “eu sei que existe outro céu, outra terra, outro mar. Onde a vida não para e nada se transforma. Onde tudo é paz e ninguém vive a chorar.”
 
Se você também deseja participar disso, torne Jesus seu amigo e planeje estar com Ele eternamente. Ele tem um convite especial para você.
 
O pecado e os pecadores não mais existem. O Universo inteiro está purificado, e o grande conflito terminou.
 
Fim.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

SOBRE NÓS


SOBRE NÓS
Maria Paula Guimarães - Niterói - RJ

Eu queria que vocês soubessem de todas as desgraceiras que acontecem comigo. Na real, não queria não. Por isso que não lhes conto. Mas se vocês soubessem, veriam que não existe nenhuma grama mais verde do que a outra. Somos todos essas gramas secas em busca de água fresca.

Somos todos feitos de indecisões e frustrações. Viver dói à beça. Não dói só pra você que tá tendo um ano punk rock federal, não. Dói pra mim também, que sofri aos montes e não lhe contei. Dói porque eu também não sei o que quero da vida. E eu também não sei quem sou.


Ninguém contou pra gente que a indecisão faria parte, né? Ninguém chegou ao pé do nosso ouvido e sussurrou que o início da vida adulta seria cheio de crise existencial. Eles nos falaram sobre sonhos, mas não sobre frustrações. Disseram para sermos alguém, mas não explicaram que, às vezes, precisamos saber ser ninguém. Eles disseram que seríamos grandes, mas não deixaram claro que tudo depende dos olhos de quem vê. E, às vezes, a gente se vê pequeno demais pra enxergar o que vem pela frente e pequeno demais pra entender que o que vem pela frente tanto faz. Os intervalos é que são os momentos mais importantes da vida. São, dela, uma metonímia. Viver é um grande "enquanto". A vida é, enquanto isso. E, enquanto isso, a gente conhece gente legal que divide, generosamente, um pouco de si conosco. E isso basta pra ser feliz.



Quanto aos nossos planos, eles vão dando certo aos poucos. Não esquente.
Até hoje sempre deu tudo certo. É que Ele cuida.
E se Ele vai cuidar, então, enquanto isso, se ocupe em amar.
Mas se estiver pesado demais, você tem a mim, pra chorar as suas pitangas comigo.
E eu tenho você, pra chorar as minhas.

Que sejamos sempre nós e que nossos nós não desatem.


Bjs no córe.

domingo, 15 de outubro de 2017

EIS QUE ESTOU À PORTA

EIS QUE ESTOU À PORTA
Pamela Henriques Moreira – Angra dos Reis/RJ

Com o aumento da violência, pensamos muito em como nos manter seguros. Noutro dia, conversava sobre como éramos mais relaxados quanto à segurança em um passado não tão distante. Lembro-me de que, quando era criança, diversas vezes fomos dormir com a porta da casa aberta - aquela porta já antiga, de metal com vidro, que emperrava e fazia um barulhão quando abria. Pensando bem, talvez não fosse realmente necessário trancá-la; ela já servia de alerta. Rs
Isso me fez recordar do quanto era irritante abrir aquela porta e de que era impossível ser discreta; difícil não alertar todos os vizinhos do prédio sobre a nossa chegada ou saída.
No meu trabalho, em determinado trajeto, há uma porta vermelha. Aquela porta, que é bem pesada, começou a prender a maçaneta, fazendo com que eu já me imaginasse torcendo o pulso por conta disso. Com jeitinho ela abre. Não tenho opção, preciso passar por ela.
Em um outro ambiente, há também outra porta vermelha, recentemente pintada, e que por conta disso fica agarrando e dificultando a travessia. Diferentemente da primeira porta vermelha, não se trata de jeitinho; para abrir requer muita força, algo como jogar o corpo e tentar a sorte.
Inicialmente, houve aquela irritação normal; afinal, quem gosta de ter a passagem bloqueada, ainda mais exigindo esforço? Depois veio o costume e os risos por aquelas pessoas que travam uma certa luta para poder passar pela porta.
Tem um verso no livro de Apocalipse que é bem bonito e diz:
“Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo.” Apocalipse 3:20
Como quem já está ferido e castigado pelas aflições dessa vida, com medo da crescente violência moral e física, deixamos do lado de fora da nossa casa, de nossa vida, o único capaz de trazer esperança.
Quantas vezes não criamos dificuldades para abrir o nosso coração e aceitar que Deus nos ama, que é misericordioso e quer nos salvar? Ele nunca desejou a morte de Suas criações, Ele deseja a salvação de todos (I Timóteo 2:4).
Jesus é um homem de classe - costumamos dizer lá em casa. Não força a maçaneta, não esmurra a porta, mas deseja fazer parte de nossa vida, desde que abramos a porta, desde que O aceitemos.
Lembre-se: Jesus está à porta, esperando que você abra o seu coração e O deixe entrar. Não como visita, mas para fazer morada em sua vida!