sábado, 13 de maio de 2017

MAMÃE


MAMÃE
Jackson Valoni – Angra dos Reis/RJ

Mamãe bateu em mim com um chinelo de pano. Eu ri. Não fui desrespeitoso, foi ela quem fez a piada. Sempre vi mamãe como o “backing vocal” da sinfonia que existe na minha casa. É o detalhe dela que faz a diferença, é a vontade dela de rir até fazer xixi nas calças, é o assado de palmito, é a mania indomável de querer “passar um paninho” nas coisas pra tirar a poeira.

Mamãe ultimamente tem expressado o esquisito desejo de viajar a Paris pra poder comprar um perfume que ela já tem. Pela lógica dela, o perfume do outro lado do Atlântico é mais barato, por isso valeria a viagem. Meu pai só escuta, eu e minha irmã debochamos dela, mas, no fundo, todos nós sabemos que ela vai fazer isso.


Mamãe outro dia me enviou uma mensagem dizendo que sente orgulho de mim. Ela é o “backing vocal” perfeito da família. Houve um tempo em que ela fez uma cirurgia cardíaca e eu fiquei desesperado. Tinha 14 anos, na época, sem saber a quem recorrer, e só conseguia gritar a Deus em oração explodindo de medo.

Era pro colo dela que eu corria quando sentia pesadelo, à noite; era ela que eu gostava de fazer sorrir – meu pai era naturalmente o piadista de toda a casa, e acho que mamãe aprendeu isso com ele. Não imaginava perder a mamãe e só o medo tomava conta de mim. Durante o período em que mamãe esteve no hospital, meu pai me nomeou como o lavador de louça oficial da casa; não lembro o que minha irmã era, mas lembro o que meu pai se tornou: o cozinheiro. O novo ofício do meu pai desviou um pouco do medo que eu estava sentido. Perder a mamãe dominava minha mente, mas a possibilidade de morrer envenenado com aquela comida horrível do meu pai forçou minha irmã a se autonomear cozinheira.

Felizmente havia restaurante perto da nossa casa e a tortura do meu pai durou pouco tempo. Nem ele aguentava a própria comida.


Hoje tenho pouco mais de um ano de casamento. Eu costumava avisar aos meus pais sobre todos os lugares que eu ia, inclusive após eu me casar. É um velho hábito do qual me afastei. Mas mamãe ainda tem hábitos que, talvez, nunca se afastarão. Ela põe minha comida no prato quando vou até sua casa, aos sábados; ela pede pra eu cortar o cabelo; pergunta se eu já lavei as mãos; pergunta se eu escovei os dentes; se eu já tomei banho.

Minha mamãe foi mãe aos 17. Eu nasci de um susto. “E disse Deus: Haja...” e eu nasci. De repente, aos 18, minha irmã nasceu.

Mamãe sofreu, e várias outras mamães em suas histórias particulares, sofreram para cuidar de seus filhos. Mamãe nos ama, amamos mamãe, e ela faz a diferença na minha vida porque é o impulso que preciso para ser quem sou. E enquanto eu viver irei chamá-la de mamãe.


“(...) Os pais são o orgulho dos seus filhos”. Provérbios 17:6

Eu te amo, mamãe.

4 comentários:

  1. Texto simples e bonito, desses que a gente curte não parar de ler...

    ResponderExcluir
  2. Que legal ver seu comentário, tombarros! Um forte abraço da turma do Então Serve!

    ResponderExcluir
  3. Linda mensagem meu filho! Tenho muito orgulho de você. Continue andando nos caminhos de Deus até quando envelhecer, nunca se desvie Dele.
    Te amo muito! Sua mamãe, Jacqueline.

    ResponderExcluir

Participe também, comentando!