quinta-feira, 20 de abril de 2017

LIBERDADE?


LIBERDADE?
Carina Baptista – Texas/USA

Oi pessoal, tudo bem com vocês?

Na semana passada nós comemoramos a Páscoa. Ovos de chocolate podiam ser encontrados por todo lugar, no Brasil, enquanto aqui, no Texas... muito ovinho de plástico para colocar doces dentro e coelhos de pelúcia, mas ovo mesmo não vi.

Nesta semana eu não quero falar sobre como a gente precisa reconhecer o real significado da Páscoa e tal; acho que você já ouviu sobre isso. Eu queria falar sobre outra coisa, e pra isso preciso lembrar como tudo começou. Pode ser que você já saiba, mas, para quem nunca ouviu, a Páscoa foi celebrada pela primeira vez após a libertação do povo de Israel, que era cativo no Egito. A promessa de uma terra onde o povo seria livre outra vez estava deixando todos animados para a partida. Após as 10 pragas, sob a liderança de Moisés, eles finalmente atravessaram o Mar Vermelho. Estavam deixando a vida de escravos para desfrutar de uma vida melhor, numa terra de onde manaria leite e mel. Eles seriam LIVRES! Ótimo, não é? Mas a história relatada não teve um final tão feliz para a maioria das pessoas que saíram do Egito cantando e vibrando. Embora a viagem, que durou incríveis 40 anos, tenha ceifado a vida de muitos, o real motivo de eles não terem conquistado o direito de entrar na Terra Prometida foi o fato deles ainda serem escravos, mesmo aparentemente livres.

Lembro-me de ouvir nas histórias para crianças que o povo era muito resmungão. Deus os tirou do Egito, eles reclamavam que estavam passando fome e sede no deserto. Deus deu maná, eles queriam carnes e outras iguarias. Deus mandava uma nuvem para proteger do sol e uma coluna de fogo para aquecer durante a noite e, pasmem, eles reclamavam. Estavam tão acostumados com a vida de escravos que não conseguiam aproveitar a liberdade que Deus estava proporcionando.

Mas é incrível pensar como essa história se repete! Outro dia ouvi uma música que dizia, em tradução livre: "Você pensa que é livre", e então a cantora lista coisas que aparentemente você faria caso fosse mesmo livre: "ouça sua música favorita bem alto, dance, beba, não haja como se fosse um zumbi".

Pode parecer bobo, mas essa música me fez refletir sobre algo que vejo acontecendo muito... quando a ouvi pela primeira vez eu pensei: parece que ela tá falando comigo, mas eu tô bem assim... hahaha. Explico: eu sou adventista do 7º dia, e eu não bebo bebidas alcoólicas, não vou a determinados lugares e não faço determinadas coisas. Não, não é sempre simples, mas eu admito que pra mim acaba sendo mais fácil porque tive poucas oportunidades de "sair da bolha". Meus melhores amigos costumavam ser pessoas da igreja, então estava "tudo em casa". Só que eu fui crescendo e vi que tinha mais mundo lá fora; mas também descobri que esse mundo tinha data de validade e então cabia a mim escolher se eu queria "ficar na bolha" e viver com as consequências ou sair dela, e sofrer com as consequências. 

Como seres humanos sentimos falta de algo que, muitas vezes, nem sabemos realmente o que é, só sentimos. Como cristã, alguém que cresceu na igreja, às vezes me sentia como uma estranha num mundo onde "tudo pode".

A música também fala que "é muito confortável ficar na sua bolha sem ver os problemas"...

Eu sei que parece não ter muito a ver o que eu estou falando, mas acredito que fará sentido. Eu não tenho problema nenhum em reconhecer que quando crescemos na igreja somos "protegidos" de muita coisa. Aqueles "nãos" que todo adolescente odeia, faz com que no fundo no fundo saibamos que é pro nosso bem. Mas, no final, fica aquela dúvida: eu sou livre?!


Existem vários textos sobre liberdade, na Bíblia; é um tema que muitas pessoas se dedicam a estudar. Todo mundo quer ser livre! Mas o que acontece é que nessa busca as pessoas têm se tornado escravas de suas próprias vontades e das consequências de suas más escolhas!

Ser livre é poder decidir quando sair, quando ir e não ir, quando começar e, o mais difícil, quando parar! A liberdade que temos em Cristo é clara como cristal. Ele não está brincando de marionetes com a gente, Ele está interessado em ver a gente saudável, feliz e livre.

Eu não sei o que tem escravizado você, não sei qual é sua dor ou alegria. Mas eu sei que se você deseja ter uma vida plena e livre para sempre, só existe um caminho. Deus está de braços abertos para você e Ele sabe exatamente o que fazer para deixar você feliz.

Que a gente não faça como o povo que saiu do Egito e desperdiçou a liberdade; que a gente possa encontrar a paz que nenhum outro lugar é capaz de dar.



Um beijo e até semana que vem! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe também, comentando!