sábado, 15 de abril de 2017

ACHADOS E PERDIDOS


ACHADOS E PERDIDOS

Jackson Valoni – Angra dos Reis/RJ

Quando eu era pequeno, me perdi da minha mãe no Madureira Shopping. Na ocasião, um segurança do shopping veio até mim porque eu chorava muito, de soluçar. Ele perguntou qual era a roupa que minha mãe estava vestindo para tentar localizá-la.

Pouco tempo depois minha mãe apareceu - não por ter sido encontrada pelo funcionário do shopping, mas porque ela havia saído de uma loja de roupas. Um hábito, inclusive, que se manteve imutável ao longo dos anos - não o de me perder, mas o de minha mãe se perder em lojas de roupas.


Uma vez Jesus se perdeu da mãe dEle também (ou teria sido o contrário?). Era época de Páscoa. Um monte de gente, do país inteiro, estava se reunindo em Jerusalém para comemorar aquela festa que significava muito para o povo judeu.

A Páscoa era o símbolo do favor de Deus por Seu povo fiel. Aos 12 anos de idade, Jesus chegava àquela festividade nacional. Aqueles dias em Jerusalém foram marcantes, inclusive pra Ele, que contemplava todas as cerimônias em torno da Páscoa - o sacrifício dos animais, os alimentos específicos, as canções.

Tudo representava Ele mesmo, o "Cordeiro de Deus" (João 1:36), mas poucos compreendiam o verdadeiro papel dAquele que "tira o pecado do mundo" (João 1:29). Muitos desejavam um Salvador que libertaria a nação inteira das mãos dos opressores, mas poucos enxergavam que o Salvador também sofreria.


Ao fim das festividades da Páscoa, os pais terrenos de Jesus, José e Maria, seguiram caminho de volta ao seu lar. Distraídos com o ambiente da festa, presença dos amigos, e imaginando que a criança pudesse estar na companhia de outros conhecidos, não perceberam sua ausência. Em um dia inteiro de peregrinação, notaram sua falta apenas à noite. Ficaram aflitos, pensamentos terríveis passaram pela sua mente, inclusive a tórrida lembrança da tentativa fracassada de Herodes de matar Jesus quando ainda era bebê.

Retornaram para Jerusalém e, finalmente, encontraram Jesus. Cercado por homens estudiosos da Palavra de Deus, Jesus em sua modéstia infantil atraía os ouvidos dos homens mais influentes da região para ouvir a mensagem do próprio Céu, ainda que não soubessem que era o próprio Deus que se fazia presente diante deles. Uma nova luz era introduzida em suas mentes, uma nova perspectiva sobre o Messias, que não apenas salvaria aquela nação, mas que deveria morrer e ressuscitar.

"... Tal como o Filho do Homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a Sua vida em resgate por muitos." Mateus 20:28

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe também, comentando!