terça-feira, 26 de maio de 2015

PUXÃO DE ORELHAS



PUXÃO DE ORELHAS
(Por Airton Sousa)

Fazia tempo que eu não levava um puxão de orelhas, embora tenha passado a vida inteira levando-os. Eu fico muito sem graça quando alguém me chama a atenção sobre algum comentário que tenha feito ou sobre algo errado que eu esteja fazendo. Calma, eu explico!
Durante a nossa programação de divulgação do blog fui seriamente advertido por uma irmãzinha lá em Madureira, que me puxou pela orelha e disse: ”Não espere até o final do ano para selar seu pacto com Deus, o tempo passa rápido, amanhã pode ser tarde demais pra você”. Assim mesmo, nesse tom que você imaginou. E não parou por aí; seguiu-se um sermão interminável sobre pessoas que adiaram decisões importantes. Quando ela terminou eu dei um jeito de sair à francesa, de tão pensativo que fiquei.

Procurando em meus guardados e escritos encontrei algo muito interessante sobre o relógio da vida:

“Faça de conta que uma vida de 70 anos foi concentrada num dia, das sete da manhã às onze da noite, e veja como é eloquente a fugacidade do tempo. Se hoje você tiver:
15 anos, são 10:25
20 anos, são 11:34
25 anos, são 12:42
30 anos, são 13:51
35 anos, são 15:00
40 anos, são 16:08
45 anos, são 17:16
50 anos, são 18:25
55 anos, são 19:34
60 anos, são 20:42
65 anos, são 21:51
70 anos, são 23:00
O que você acha? Ficou sério? E veja como a coisa é muito mais séria se você lembrar que o ser humano dorme em média 8 horas por dia. Quer dizer que alguém que viver 75 anos, terá passado 25 anos dormindo”. (Mais Semelhantes a Jesus – Alejandro Bullón, CPB, p. 130)

Tive um estagiário que se gabava muito por ser jovem e vivia praticando “bullying” com os mais velhos, como se a juventude ou a velhice de alguém nunca fosse terminar; só porque para ele eram 11h34 e para mim já passava das 18h.

Mas me diga: o que importa o relógio se você não estiver vivendo de acordo com o seu tempo e se preparando para o próximo período?

Você se lembra daqueles relógios de ampulhetas? Eu tinha um daqueles e gostava de ficar vendo a areia cair sem retornar. Havia um momento em que a parte superior ficava completamente vazia; apesar de demorar muito, acontecia, e aí, era só virar de ponta cabeça e a areia voltava a cair, dando a ilusão de que a vida continuava.

“Se você quiser fazer Deus rir, conte a Ele sobre seus planos para o amanhã; pode ser que o amanhã não venha para você ou para aquela pessoa com quem você deveria fazer acertos hoje.” (Encontros com Deus, p. 137, Casa Publicadora Brasileira)

Isso é sério e o que a irmãzinha que nem sei o nome me disse também é muito sério: “Muitos que planejam buscar a Deus no próximo sábado morrem na sexta; então, meu jovem, não espere mais”.

Sabe, esses puxões de orelhas me deixam pensativo, muito pensativo...

5 comentários:

  1. Bom demais!!!
    E isso é muito sério!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é bom e é muito sério, Lidia. Serve pra todos nós. Obrigado pela visita.

      Excluir
  2. Sábio foi Deus que nos criou com as orelhas vizinhas ao cérebro. Assim, quando levamos "puxões", tao logo começamos a analisar e refletir.
    Sua autorreflexão contagia, acredite.
    Um forte abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Puxões de orelhas doem mas nos fazem refletir e ver quanto tempo estamos perdendo. Obrigado Henrique, que bom tê-lo por aqui. Fica a vontade e conheça nosso espaço. Abração!

      Excluir
  3. Sábio foi Deus que nos criou com as orelhas vizinhas ao cérebro. Assim, quando levamos "puxões", tao logo começamos a analisar e refletir.
    Sua autorreflexão contagia, acredite.
    Um forte abraço.

    ResponderExcluir

Participe também, comentando!