sábado, 16 de maio de 2015

PREÇO


PREÇO
(por Jackson Valoni)

Senhoras e senhores, desculpe estar interrompendo o silêncio de sua viagem. O camelô traz pra vocês...
Sou superfã desses caras.

Faz bastante tempo que não ando de trem no Rio de Janeiro, mas de 2005 a 2007 eu embarcava na estação de Madureira e seguia viagem até São Cristóvão, de segunda a sexta. Não tenho aquelas viagens como experiências emocionantes, daquelas que respiramos fundo e esboçamos um sorriso no canto dos lábios... definitivamente, não. Mas não tenho como deixar de lembrar, com um sentimento estranhamente agradável, dos vendedores ambulantes que diariamente apresentavam suas variadas e ecléticas mercadorias.

Eu me lembro de uma raquete que matava moscas. Aquilo fez um sucesso absurdo! Eles também vendiam os clássicos, lógico: bebidas, vários doces, amendoim (“com casca ou sem casca?”)... Hoje em dia eu ando mais de ônibus e o método de venda não é muito diferente. Alguns vendedores oferecem uma amostra grátis quando vendem alguma balinha de coco ou algo do tipo. Nessa estratégia de venda, eles assumem o risco de entregar parte de seu bem sem ganhar nada em troca.

Nós, eu e você, somos muito valiosos para Deus. Valemos muito mais do que uma balinha de coco. Até os passarinhos e as flores recebem o cuidado de Deus (Mateus 6:25-30). Não seria diferente conosco, ainda mais preciosos pra Ele, criados à Sua imagem e semelhança, um pouco menor do que os anjos” (Salmo 8:5).

Pois vocês sabem o preço que foi pago para livrá-los da vida inútil que herdaram dos seus antepassados. Esse preço não foi uma coisa que perde o seu valor como o ouro ou a prata. Vocês foram libertados pelo precioso sangue de Cristo, que era como um cordeiro sem defeito nem mancha.” (I Pedro 1:18,19)

Sim, fomos comprados por Deus, “por bom preço” (I Coríntios 7:23).

A entrega do Seu filho único, por nós, causa, desde então, uma expectativa gigante em nosso Deus. Quando Jesus esteve na cruz, o Pai assumia o risco de não conseguir resgatar pessoas que andam perdidas por aí, iludidas, distraídas... Ficamos alheios ao sentido da própria vida e não temos noção do valor alto que Deus pagou por isso.

O que houve naquela cruz do Calvário?
Uma simples amostra grátis de amor incondicional?



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe também, comentando!