sábado, 9 de julho de 2016

ENXERGAR

ENXERGAR
Por Jackson Valoni

Usei óculos desde os 10 anos de idade. Nunca tive problemas com apelidos por causa dos óculos, talvez porque eu costumava apelidar meus amigos antes. Não me incomodei em usar óculos, a não ser em dias ensolarados. Dias como aquele em que fui pro Cristo Redentor e tive que ficar olhando pra câmera do celular enquanto o sol castigava meus olhos, já que eu não tinha óculos escuros. Na ocasião, tirei meus óculos de grau porque eu não gostava da aparência “fundo de garrafa” das lentes.




Exceto por esse inconveniente, não houve maiores transtornos para vestir/usar, por 15 anos, um par de lentes com grau à frente dos meus olhos míopes.

Mas decidi fazer uma cirurgia para corrigir a miopia e o astigmatismo. Foi uma das coisas mais tensas que eu faria na minha vida. Fiquei semanas pensando sobre o que eu estava prestes a fazer. Um raio laser apontado em minha retina e pronto: voltaria a enxergar sem precisar de óculos.

Tive medo de ficar cego enquanto estivesse na mesa de cirurgia. Olhava pra todos os lados, todas as cores, nem dormi direito no dia anterior.

Senti muito medo durante o procedimento cirúrgico. Prendi a respiração enquanto o laser fatiava meus olhos. Senti o cheiro dos meus olhos queimando. Antes de essa cena mórbida acontecer, o médico me deu um calmante que pareceu não ter gerado nenhum efeito na hora, mas que me deixou muito grogue ao fim da cirurgia.

O resultado foi um sucesso. Recebi várias recomendações médicas:

"Durma de barriga pra cima", "não se abaixe", "não pegue peso", "não molhe os olhos quando for tomar banho", "não fique no Sol", "use colírio de 2 em 2 horas"...




Dei valor aos meus olhos quando me tornei refém deles. Tudo o que eu fazia era em função deles, porque qualquer descuido resultaria em dor física e preocupação quanto à cicatrização pós-operatória.

Damos mais valor a algumas coisas quando perdemos aquilo de vista. Sentamos sem postura porque nem nos lembramos de que temos coluna; bebemos pouca água porque os rins ainda funcionam bem; dirigimos sem cinto de segurança porque chegamos a salvo no destino.

Talvez seja por isso que, às vezes, Deus é rejeitado e esquecido. Enquanto a vida não se mostra tão difícil, não se sente a necessidade de buscar uma direção do Alto. Como se precisássemos do poder que vem do Céu apenas em momentos de dor...

"Houve alguma nação que trocasse os seus deuses, posto que não fossem deuses? Todavia o meu povo trocou a sua Glória por aquilo que é de nenhum proveito." Jeremias 2:11

Enxergar é um dom gratuito. Enxergar nossa dependência de Deus até diante das mais corriqueiras atividades é sabedoria. Como num casamento, que o seu relacionamento com o Pai Eterno seja constante, na alegria e na tristeza.

"(...) Lembro-me de ti, da tua afeição quando eras jovem, e do teu amor quando noiva, e de como me seguias no deserto, numa terra em que se não semeia." Jeremias 2:2



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe também, comentando!