terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

CARIOCA DA GEMA, SIM SENHOR!


CARIOCA DA GEMA, SIM SENHOR!
Airton Sousa - Direto de FLORIANÓPOLIS Paciência/Rio de Janeiro/RJ

Dos meus tempos de morador de São Paulo, eu lembro que primeira reação que as pessoas tinham quando reparavam no meu sotaque era me chamar de “carioca”, mesmo eu não tendo nascido no Rio de Janeiro - mas elas não sabiam disso. Eu sempre fiz questão de me mostrar “um carioca legitimo fora da sua cidade”. Assim, meu sotaque era mais chiado que o de costume, meus “S” tinham mais som de “X” do que mesmo a maioria dos próprios cariocas que moravam lá também. Eu fazia questão de ser carioca, de falar do “Mengo” e ressaltar as belezas da cidade. A paulistada correspondia e me chamava de “carioca”.

Até o dia em que fui morar em Campo Grande, ali pelos lados de Santo Amaro, na zona sul, e conheci o Paulinho, hoje meu grande amigo. Quando fui apresentado como “carioca”, ele me olhou de cima a baixo e disse:

- Você é carioca, com essa cara de “Joãozinho Trinta”? Nunca!

Tremi. Meu segredo estava para ser descoberto... Naqueles anos todos de sampa nunca ninguém havia contestado a legitimidade da minha carioquice. Esse era um segredo que eu guardava a sete chaves. Meus documentos todos nunca ficavam visíveis. Eu fazia muita questão de ser carioca e de ser reconhecido como tal.

- Ah, eu sou carioca, sim; sou filho de nordestinos, mas nasci no Rio. Sou carioca da gema.

Que grande bobagem!

O segredo foi descoberto, numa bela manhã de domingo. Enquanto eu estava no banho, um amigo entrou lá em casa. E enquanto me aguardava, na sala... Eu havia esquecido os meus documentos na mesinha e quando saí do banheiro o amigo estava com minha carteira de identidade nas mãos e me disse:

- Quer dizer que você nasceu em Caxias, no estado do Maranhão... e esse tempo todo “pagando” de carioca... Você é uma fraude mesmo.

Bem, se alguém ainda tinha dúvidas... não há mais. Eu não sou carioca, e embora tenha vivido aqui no Rio desde os meus primeiros anos de vida, embora tenha mania de ir ao shopping de Havaianas e regata, embora tenha todos os costumes, o que vale é o que consta na minha Certidão de Nascimento e na Carteira de Identidade. E o que consta é que eu nasci em Caxias-MA. Foi o fim de uma era...

- Amigão, que fraude! E essa cara de Marlene Matos nunca me enganou!


O convite de hoje é para sermos novas criaturas, adquirindo uma identidade que nos torna incorruptíveis, filhos de Deus. O chamado é para sermos renovados na cruz de Cristo. Isso é tudo que temos para hoje. E é lindo demais! É uma nova chance de recomeço.


”Portanto, abandonem a velha natureza de vocês, que fazia com que vocês vivessem uma vida de pecados e que estava sendo destruída pelos seus desejos enganosos. É preciso que o coração e a mente de vocês sejam completamente renovados. Vistam-se com a nova natureza, criada por Deus, que é parecida com a sua própria natureza e que se mostra na vida verdadeira, a qual é correta e dedicada a ele”. Efésios 4:22-24

Graças a Deus eu entendi que a única identidade que vale é aquela para a qual Deus nos chamou.

E assim começamos uma nova temporada. Novos caminhos, nova vida, novos dias, nova identidade.

“Portanto, se alguém está em Cristo, nova criatura é. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas.” II Coríntios 5:17

E nunca esqueça, meu amigo, quem define você não é a sua velha identidade comida pelo tempo, não é o lugar de onde você veio nem para onde você vai. Quem o define não é o caráter torto, sua personalidade distorcida, seus traços mal riscados. Quem define você é a Graça de Deus. E isso basta para começar um ano novo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe também, comentando!