quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

UM PRÍNCIPE EM NOVA YORK


UM PRÍNCIPE EM NOVA YORK
João Octávio Barbosa – Bento Ribeiro City - RJ


Em certo país africano vivia o príncipe Akeem (Eddie Murphy, muito hilário), o qual tinha todos os privilégios do mundo oferecidos por seu pai. Não obstante, o rei exigiu dele algo que ele não aceitou: um casamento arranjado. Então, ele decide viajar para a distante cidade de Nova York atrás de uma garota que o ame de verdade. Para isso, ele se faz de rapaz pobre e passa por situações engraçadas.


José, filho de Jacó, também era bem mimado. Seu pai não escondia de seus outros filhos que ele era o preferido. E José mesmo tinha sérios problemas para disfarçar que sentia que era melhor que seus irmãos. Ele sonhava que era exaltado em meio à sua família, e fazia questão de revelar isso a todos, atraindo raiva a ele.


Li sobre José no livro de Gênesis, o primeiro da Bíblia. Estou num processo de leitura chamado "Ano Bíblico", no qual, dedicando-se a ler uma média de quatro capítulos da Bíblia por dia (cerca de 15 minutos) você consegue lê-la inteira em um ano. Eu certamente recomendo isso a todos vocês. Como o ano só começa depois do Carnaval, você tem 10 dias para se preparar.

José, assim como Akeem, fez uma longa viagem, mas no seu caso foi a contragosto. Foi traído pelos irmãos e levado para o Egito para ser escravo. Por sua boa conduta, até conseguiu alcançar uma situação melhor de vida às vezes, mas vinham novamente as traições e ele levava uma rasteira.

De dentro de uma cadeia ele foi tirado, depois de 13 anos de muito sufoco, para voltar a ser príncipe. Não de NY, mas do NYLO (muito infame esse trocadilho, muito infame...).


Spoiler Final. Akeem consegue encontrar uma esposa que o amava, não pelo dinheiro (mas que adorou a ideia de ser princesa, quando descobriu), e volta junto com ela para a África. José também foi vencedor da própria história, pois reconheceu que tudo por que passou foi um plano de Deus para a manutenção da sua vida e de sua família.

“Agora, pois, não vos entristeçais, nem vos pese aos vossos olhos por me haverdes vendido para cá; porque para conservação da vida, Deus me enviou adiante de vós.” (Gênesis 45:5)


Uma vez príncipe, no Egito, ele garantiu o sustento de seus irmãos traidores, e fez questão de selar a paz entre todos, oferecendo, além do seu perdão, o conselho de que eles não discutissem mais sobre quem era culpado do quê.

“E despediu os seus irmãos, e partiram; e disse-lhes: Não briguem pelo caminho.” (Gênesis 45:24)

Atitudes de quem tem sangue azul.

Não peço que concordem, espero que reflitam!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe também, comentando!