quarta-feira, 14 de outubro de 2015

QUANDO TUDO DÁ CERTO...


QUANDO TUDO DÁ CERTO...
(Por Eduardo Santos)

Faz muito tempo que desejo ler um livro intitulado “Quando tudo falha!”1. Todas as pessoas que o leram recomendam. Mas, involuntariamente, sempre o coloco para trás na minha lista de livros para ler. E mais uma vez essa situação se repete neste ano. Espero um dia deixar de fazer isso. Muito mais do que um mero trocadilho com o título, é bastante oportuno olhar por esse ângulo e avaliar o que fazemos quando as coisas vão bem...

“Cada caso é um caso.” Essa é mais uma daquelas máximas incontestáveis! Mas é inquestionável que na vida de todo ser humano existem altos e baixos, momentos felizes e outros não tão felizes assim, situações nas quais nossos planos dão certo e outras em que tudo dá errado. Pensando nisso, logo me lembrei das histórias do povo de Israel que ouvia em minha infância (ainda ouço e leio as mesmas histórias e continuo aprendendo coisas novas com elas).

Se me pedissem para resumir a trajetória do povo em apenas uma palavra, minha escolha seria “inconstante”. Não é necessário conhecer a história toda, nem profundamente, para enxergar que ora tudo ia muito bem, ora ia tudo muito mal. Outro perfil que também podemos traçar é que ora eles buscavam a Deus de todo o coração, ora viravam as costas a Ele. E esses perfis funcionavam aos pares: quando tudo estava bem, Deus era deixado de lado; quando tudo ia mal, corriam atrás de Deus.

O exemplo do povo retrata uma imagem genérica de nossa história. Passamos por bons e maus momentos e eles influenciam nosso relacionamento com Deus. Mas vamos focar nos bons momentos: quando eles ocorrem, temos a nociva tendência de sentir-nos autoconfiantes - sentimento esse que conduz ao próximo estágio perigoso: soltar a mão de Deus.

Nos bons e nos maus momentos, devemos ter a certeza de que somos acompanhados de perto por Alguém que está sempre nos conduzindo e protegendo. Nem sempre somos capazes de perceber isso no exato instante. Ele é o responsável pelas coisas não entrarem em colapso, Ele é o responsável por nos tranquilizar, prover as saídas para os nossos problemas e é Ele quem conhece nosso futuro e nos auxilia a trilhar os melhores caminhos.

Isso me fez lembrar de uma parábola que conta sobre um homem, um agricultor muito rico, que confiou demais em seus esforços e na capacidade produtiva de suas terras, esquecendo-se de seu Deus e Seus ensinos. Em sua avareza, decidiu que deveria aumentar seus reservatórios de mantimentos, sem ao menos lembrar que seu futuro só Deus conhecia. A história termina com as duras palavras divinas: “Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?” (Lucas 12:20).

Loucura! Não o ajuntar riquezas; mas o esquecer-se de Deus. Deus é o doador de todas as bênçãos e nosso companheiro mais fiel em todos os momentos difíceis. Se apegue a Ele quando tudo parecer desmoronar ao seu redor e você encontrará o melhor refúgio. Mas não deixe convidá-lo para participar das suas alegrias; afinal, não existe real felicidade longe dEle!

___________________________________

Referência:
1. BELZ, R. Quando tudo falha. Casa Publicadora Brasileira, 1987.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe também, comentando!