quarta-feira, 3 de junho de 2015

CARPE DIEM

CARPE DIEM1
(Por Eduardo Santos)

Carpe diem, quam minimum credula postero. A primeira vez que ouvi essa expressão já faz bastante tempo. Estava começando a estudar Literatura, no colégio. Trata-se de uma expressão latina significando, ao pé da letra, aproveite o dia, confie o mínimo no amanhã. Esse conselho, bem útil para cada ser humano, compõe um dos livros do poeta Horácio Flaco.

A grande preocupação do poeta reside no fato de que possuímos apenas o hoje; o amanhã é algo incerto e só se torna real quando passa a ser presente. Sendo assim, devemos viver aquilo que nos é proposto de forma intensa e extraordinária. Espantoso é pensar que algo tão antigo consiga ser tão aplicável atualmente; afinal, se vamos aproveitar o dia, precisamos nos ater aos detalhes, pois é neles que se encontra a beleza da vida!

Mas você já se deu conta de que a realidade contemporânea não nos permite saborear os pequenos e preciosos momentos? A vida é muito dinâmica, não se tem tempo para nada. Acordamos cedo, saímos para as responsabilidades, chegamos tarde, dormimos mais tarde ainda (quando é possível dormir), trabalhamos ou estudamos, ou trabalhamos e estudamos, e a lista de atividades nunca termina.

Somos bombardeados pela mídia de diversas formas, com mensagens exageradamente luminosas e coloridas, mensagens subliminares, mensagens nada subliminares... Estamos constantemente conectados com o mundo da internet, recebendo notícias, atualizando redes sociais, interagindo de forma virtual e artificial. Mas o que menos se faz é seguir o sábio conselho de Horácio.

Com o tempo, essa correria insana na qual vivemos acabou revelando suas consequências: estresse, cansaço, desesperança, depressão e ansiedade, com um “upgrade”: algo que tem sido chamado de “síndrome do pensamento acelerado”2. Em poucas palavras, isso significa que alguns de nós, provavelmente a maioria, aprenderam muito bem a acompanhar o ritmo frenético imposto pela sociedade, mas esqueceram de aprender a desacelerar. São incapazes de permitir que seu cérebro descanse, algo de enorme importância.

Dentre os grandes males que essa síndrome causa está o déficit de atenção, marca registrada dos adolescentes e jovens de hoje. Não é necessário dizer que uma pessoa com dificuldade de prestar atenção se torna incapaz de observar detalhes, e quando eles não são observados a vida desanda, passa, e deixamos de viver para, em lugar disso, sobreviver. Quando ignoramos os detalhes, vivemos como a menina da frase que ouvi a minha infância inteira: “O tempo passou na janela e só Carolina não viu.”.3

O mais preocupante é que os efeitos dessa síndrome nos afetam de forma avassaladora e, como um todo, somos moldados nos padrões do mundo contemporâneo. Fomos padronizados e já não aceitamos nada menos que os efeitos especiais cinematográficos repletos de brilhos e cores, temos os sentidos entorpecidos por tais estímulos e a vida passou a ser uma intensa corrida atrás, cada vez mais, de experiências desse tipo.

E, lentamente, deixamos de perceber que as consequências dessa síndrome nos impedem de ouvir a voz de Deus. Ele fala constantemente conosco, mas é preciso estar atento para ouvir e entender. Ele usa os detalhes do nosso dia para nos ensinar lições, nos confortar, nos alegrar... e deixamos que eles passem por alto, pois somos incapazes de prestar atenção.

No capítulo 19 de I Reis, conta-se o relato de quando Elias teve medo de ser morto. Naquele momento, a explosão de sentimentos que ele deve ter vivido, possivelmente, provocou nele uma tremenda crise de ansiedade pelo seu futuro (por que não dizer a “síndrome do pensamento acelerado”?). Por alguns instantes, ele deixou de observar os milagres que Deus havia feito por ele e por intermédio dele, deixou de ouvir a voz de Deus.

Deus, então, o convida a sair da caverna onde ele estava para se colocar diante de Sua presença. Depois de uma sucessão de demonstrações estrondosas do poder de Deus, Elias percebeu a presença do Senhor ao ouvir uma voz suave, um sussurro, talvez. Assim, foi conversar com Deus.

A proposta de hoje, o nosso Carpe Diem, não é um convite a uma vida dissoluta para tentar tornar a vida aqui na Terra, aparentemente, mais emocionante. É um convite a observar os detalhes, pois Deus está nos detalhes e fala através deles . É um convite para prestar atenção na voz dAquele que garante nosso futuro nos possibilitando não ficarmos ansiosos com coisa alguma. É viver a vida plenamente, de acordo com Seus ensinos, e assim, verdadeiramente, aprender o que é viver.

Um ótimo dia e um grande abraço!


Referências:
1-    Significado de Carpe diem, quam minimum credula postero. Disponível em: <http://www.significados.com.br/carpe-diem-quam-minimum-credula-postero/>. Acessado em: 10/05/2015
2-    Síndrome do pensamento acelerado: sintomas, causas e tratamento. Disponível em: <http://vivomaissaudavel.com.br/saude/clinica-geral/sindrome-do-pensamento-acelerado-sintomas-causas-e-tratamento/>. Acessado em: 10/05/15.
3-    Jorge Luiz, meu pai, citando Chico Buarque – “Carolina”.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe também, comentando!