quinta-feira, 20 de julho de 2017

O VÍRUS DA INGRATIDÃO








O VÍRUS DA INGRATIDÃO
Vinícius Mendes

Teria sido melhor que o SENHOR tivesse nos matado no Egito! Lá, nós podíamos pelo menos nos sentar e comer carne e outras comidas à vontade. Vocês nos trouxeram para este deserto a fim de matar de fome toda esta multidão. Êxodo 16:3

Trabalho escravo. Longas horas de labor estafante debaixo do sol do Egito. Chicotadas dos capatazes. Humilhação verbal e física. Injustiça social. Horrores que não somos nem capazes de imaginar. Essa era a situação do povo de Israel quando sofria a opressão no Egito. À medida que eles cresciam e se multiplicavam, aumentava também a carga de serviço.


Então Deus envia um libertador. Manda pragas sobrenaturais para demons­trar seu poder ao faraó e livra seu povo com milagres extraordinários. Da saí­da da terra cheios de posses à travessia do Mar Vermelho, não havia dúvidas: o Senhor estava com eles. Jubilosos, cantaram ao se dar conta do livramento.

Tudo parecia ir muito bem. Até se aperceberem de um pequeno detalhe: a barriga estava vazia e não havia comida em volta naquele deserto escaldante. Foi o suficiente para o início de um escândalo sem precedentes. Era como se tivessem sofrido um ataque súbito de amnésia. De um instante para o outro, esqueceram-se do poder do Deus que os havia livrado das pragas e aberto o mar. Era algo tão óbvio que não precisava ser perito em lógica para chegar à conclusão de que o mesmo poder que os sustentara tão extraordinariamen­te até então seria capaz de prover o alimento. Porém, foram infectados pelo vírus da ingratidão. Veja bem: sentiram saudades do Egito! Ficaram desejando voltar ao regime de escravidão, apenas para comer carne.

Quando permitimos que o pecado tome conta de nossa mente, corremos o risco de padecer do mesmo mal. Ingratos, esquecemos tudo aquilo que Deus já realizou. Trocamos a esperança da terra prometida e o poder libertador divi­no por um pouco de carne de segunda, ou seja, por algum benefício terreno e passageiro. Cuidado com esse vírus! O antídoto contra a doença da ingratidão é um exercício muito simples: contar as bênçãos.



Quando você se sentir tentado a reclamar do que Deus fez ou deixou de fazer em sua vida, pare um segundo e comece a se lembrar de todas as bênçãos derramadas no passado próximo. Você verá que só tem motivos para agradecer e confiar cada vez mais.

Siga o Mestre - VINÍCIUS MENDES - Inspiração Juvenil – 2017 - CPB

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe também, comentando!