sexta-feira, 7 de julho de 2017

A ARTE DE VIVER DA FÉ


A ARTE DE VIVER DA FÉ
Denize Vicente - Cidade Maravilhosa/RJ

Sabe a história daquela pobre senhorinha que morava numa casinha bem simples com sua netinha que estava doente, bem doente?

Pois é. Sem dinheiro pra pagar uma consulta médica e vendo que apesar de seus muitos cuidados a menininha só piorava, a vovó decidiu, com muita dor no coração, deixar a menina sozinha, em casa, enquanto ia a pé até a cidade mais próxima, em busca de ajuda no único hospital público da região.



Chegando lá, foi informada de que os médicos não poderiam ir até a sua casa; ela teria que levar a menina para ser examinada.

Desesperada, porque sabia que sua neta não conseguiria nem se levantar da cama, voltou pra casa. No caminho, passou em frente a uma igreja e resolveu entrar. 

 
Algumas senhoras estavam ajoelhadas fazendo suas orações. Ela também se ajoelhou. Ouviu as orações daquelas mulheres, e quando teve oportunidade aproveitou - também levantou sua voz e disse:

- “Olá, Deus, sou eu, a Maria. Olha, a minha neta está muito doente. Eu gostaria que o Senhor fosse lá curá-la. Por favor. Anote aí, Deus, o endereço.”

As mulheres da igreja estranharam o jeito daquela oração, mas continuaram ouvindo.


- “É muito fácil; é só o Senhor seguir o caminho das pedras e, quando passar o rio com a ponte, o Senhor entra na segunda estradinha de barro. Passa a vendinha. A minha casa é o último barraquinho daquela ruazinha.”

As senhoras que estavam ouvindo se esforçaram pra não rir...

Ela continuou: - “Olha Deus, a porta tá trancada, mas a chave fica embaixo do tapetinho vermelho na entrada. Por favor, Senhor, cure a minha netinha. Obrigado.”.

E quando todas achavam que havia acabado, ela complementou: - “Ah! Senhor, por favor, não se esqueça de colocar a chave de novo embaixo do tapetinho vermelho, senão eu não consigo entrar em casa. Muito obrigada, obrigada mesmo.”.

Depois que a Dona Maria foi embora, as outras senhoras soltaram o riso e ficaram comentando como é triste descobrir que as pessoas não sabem nem orar.

Mas, Dona Maria, ao chegar a sua humilde residência não pôde se conter de tanta alegria, ao ver a menina sentada no chão, brincando com suas bonecas.

- “Menina, você já está de pé?!”

E a menina, olhando carinhosamente para a avó, disse: - “Um médico esteve aqui, vovó. Deu-me um beijo na testa e disse que eu ia ficar boa. E eu fiquei boa. Ele era tão bonito, vó! Sua roupa era tão branquinha que parecia até que brilhava. Ah, ele mandou lhe dizer que foi fácil achar a nossa casa e que ele ia deixar a chave debaixo do tapetinho vermelho, do jeitinho que você pediu.".



Bem, essa história é um conto, uma parábola, ou aconteceu de verdade?
Não sei lhe dizer. Mas, falando sério, não faz muita diferença pra mim, porque a lição que eu aprendi com ela é a mesma: a fé salva.

Eu poderia terminar o post de hoje exatamente aqui, mas eu seria um pouco irresponsável se não lhe dissesse que não é fé em qualquer um nem em qualquer coisa...

Tem uma música do Paralamas que diz assim: “A arte de viver da fé / Só não se sabe fé em que”. Quando você não sabe em que ou em quem deve colocar a sua fé... só com muita arte, mesmo! E a arte é bela, é necessária e essencial; só que não salva. Sabe a fé que faz grandes coisas, a fé que age, a fé que faz diferença? Não adianta ter apenas “fé na vida, fé no homem, fé no que virá”... É preciso mais. Acertar o alvo. Mirar no certo. Ter fé no Deus que tudo pode. Eu creio num Deus que tá de olho em tudo, de ouvido aberto e mãos estendidas; que nem sempre me dá o que eu quero, mas sempre tem o que eu espero, isto é, o que é melhor pra mim. Pode ser assim com você também e com todos os que nós amamos.

"A fé é a certeza de que vamos receber as coisas que esperamos e a prova de que existem coisas que não podemos ver."

“... antes de vocês pedirem, o Pai de vocês já sabe o que vocês precisam.”

Heróis da Fé (clique AQUI se quiser conhecê-los)

4 comentários:

  1. Graça Maia Gama8 de julho de 2017 02:50

    Maravilha!Amei tudo inclusive o nome da avozinha. Parabéns... abraço forte.

    ResponderExcluir
  2. Ah se tivéssemos fé do tamanho de um grão de mostarda ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é... moveríamos montanhas. Acho até que moveríamos o mundo!

      Excluir

Participe também, comentando!