quarta-feira, 12 de julho de 2017

CHAPOLIN COLORADO



CHAPOLIN COLORADO
João Octávio Barbosa – Bento Ribeiro City - RJ


“Não contavam com minha astúcia!” O ator mexicano Roberto Gomez Bolaños (mostrado acima com sua caracterização de Chapolin Colorado) deu vida ao mais conhecido super-herói da América Latina. Com todo o respeito: quem são os Vingadores? Perto do grande Polegar Vermelho, reconheço Homens de Ferro, Capitães América, e Hulks como nada!

Bolaños foi uma espécie de Chico Anysio do México na década de 70. Tinha um programa com diversos quadros, no qual em cada um fazia um personagem diferente. O mais famoso é e sempre será o Chaves. Além dele, tinha o Doutor Chapatim, o Chesperito, e outros que não foram muito televisionados aqui no Brasil. Mas o meu preferido é o Chapolin.


Ele tinha características muito peculiares para o estereótipo do herói. Tinha uma marreta biônica, mais estilosa que o martelo sem graça do Thor. Um uniforme vistoso e chamativo, todo trabalhado no vermelho, com o charmoso detalhe da cueca amarela por cima do macacão (nisso, seguindo a moda Super Homem). Anteninhas de vinil mais úteis que a telepatia do Prof. Xavier. Sempre presente para ajudar, cada vez que uma pessoa precisasse de alguém para defendê-la.

Usava a astúcia acima da força. Protegia os frascos e os comprimidos. A despeito das muitas suspeitas sobre Batman, Robin e outros, Chapolin é um exemplo de viril-heterossexualidade. Nada contra, mas, enfim...


Porém, além de tudo isso, queria destacar uma coisa em particular: Chapolin tinha medo. Sim, medo, e nada o caracteriza melhor como herói do que o medo que ele sentia. Pois mais coragem tem aquele que enfrenta os seus medos do que aquele que afirma nada temer.

No amor não há medo, antes o perfeito amor lança fora o medo...
I João 4:18

SPOILER FINAL. A Bíblia ensina que onde há amor não pode haver medo. Poderia reinterpretar dizendo também o seguinte: o medo acaba se o amor for maior. Chapolin Colorado só enfrentava os terríveis vilões Tripa Seca, Chinezinho e Quase Nada porque esquecia o medo que sentia deles e se encorajava na disposição de ajudar quem precisava. O amor vencia o medo.

Neste texto que homenageia com algumas lembranças simples o grande caráter que constituía a vida de Chapolin (e seu intérprete), aquele que diariamente no SBT nos deu valiosas lições de moral para se carregar para a vida toda, gostaria de fazer você refletir um pouco nisto: você tem permitido que o amor de Deus esteja retirando o medo da sua vida?

Num mundo cheio de aflições, Deus, seu Paizinho do Céu, querido, tem resposta para cada medo, dúvida e preocupação que você tem. Essa resposta se resume em amor. Um grande e inexplicável amor que Ele sente por você.

Se você juntar as mãos, fechar os olhos e perguntar: “E agora, quem poderá me defender?”, o Chapolin Colorado pode não aparecer, mas de lá de cima vai surgir Alguém disposto a acompanhar você para sempre, mudar a sua vida para melhor, e trocar todo o seu medo por amor.


Não peço que reflitam, espero que concordem... digo,
Não peço que firam com o ferro que se chega a Roma... digo,
Nem só de pão viverá o santo de casa que não faz milagre...
Ah, vocês entenderam.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe também, comentando!