sexta-feira, 18 de setembro de 2015

MUDANÇAS - Parte 1


MUDANÇAS - Parte 1
(Por Denize Vicente)

Não sei se você - que parou um pouquinho o que estava fazendo para ler este texto - tem uma religião, se é católico, protestante, espírita, ateu ou agnóstico (teísta ou ateísta). Mas a “fé” pode ser um elemento comum a todos nós. "A fé é a certeza de que vamos receber as coisas que esperamos e a prova de que existem coisas que não podemos ver." (Hebreus 11:1 - Bíblia - Nova Tradução na Linguagem de Hoje)

Pela fé entendemos que o universo foi formado pela palavra de Deus, de modo que aquilo que se vê não foi feito do que é visível. Pela fé Abel ofereceu um sacrifício superior ao de Caim. Pela fé ele foi reconhecido como justo, quando Deus aprovou as suas ofertas. Embora esteja morto, por meio da fé ainda fala. Pela fé Enoque foi arrebatado, de modo que não experimentou a morte; (...). Pela fé Noé, quando avisado a respeito de coisas que ainda não se viam, movido por santo temor, construiu uma arca para salvar sua família. (...) Pela fé Abraão, quando chamado, obedeceu e dirigiu-se a um lugar que mais tarde receberia como herança, embora não soubesse para onde estava indo. Pela fé peregrinou na terra prometida como se estivesse em terra estranha; viveu em tendas, bem como Isaque e Jacó, co-herdeiros da mesma promessa. Pois ele esperava a cidade que tem alicerces, cujo arquiteto e edificador é Deus. Pela fé Abraão - e também a própria Sara, apesar de estéril e avançada em idade - recebeu poder para gerar um filho, porque considerou fiel aquele que lhe havia feito a promessa."
(Hebreus 11:3-11 - Bíblia - Nova Versão Internacional)

Em palavras n
ão extraídas "ipsis litteris" da Bíblia, eu poderia dizer que ter fé é acreditar em algo não necessariamente provável. Talvez a diferença entre uns e outros exemplos de fé seja "no que" ou "em quem" você confia para ter essa certeza, para acreditar que o improvável pode acontecer. As pessoas mencionadas linhas acima acreditavam em Deus como Aquele que, por trás dos bastidores, estava agitando as coisas para realizar o improvável na vida delas.

Abraão, conhecido como "o pai dos fiéis", ou "o pai da fé", não conseguiu esse título assim, de uma hora pra outra. Abraão não foi sempre um cara de muita fé. Deu uns vacilos que evidenciaram sua incredulidade, e até mesmo uma tremenda covardia. Lutou contra as dúvidas e a falta de fé quanto ao poder de Deus. 


Abraão cresceu em Ur, no território que pertence, hoje em dia, ao Iraque, e foi num espaço de 100 anos, a partir das experiências bem e mal-sucedidas que viveu  - Gênesis 12:11-13; 20:2 e 17:17, por exemplo -, e que tinham a ver, acredito, com suas origens - ancestrais idólatras - Josué 24:2 -, que ele foi, então, transformado no homem que hoje conhecemos como "o pai da fé". Você já pensou nisso? Foram CEM ANOS de ensaios, tentativas, experimentações!

Que tipos de experiências alguém pode viver, capazes de alterar o rumo da sua vida?

Eu volto semana que vem, pra gente conversar um pouco sobre isso. Porque, pensando bem... mudanças são essenciais!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe também, comentando!