terça-feira, 15 de setembro de 2015

CORRA AMIGO, CORRA!



CORRA AMIGO, CORRA!
(Por Airton Sousa)

Quando escrevia aquele texto “Tudo sem sentido, nada faz sentido”, que foi dividido em três partes, me veio à mente um filme de 1994, do Tom Hanks, tão antigo quanto este que vos escreve. Forrest Gump, o contador de histórias.

Uma das lições que Forrest aprendeu com Jenny, desde pequeno, é que ele deveria correr: “Corra Forrest, corra". "Se estiver em perigo, não tente ser corajoso; só corra". Forrest ouvia e acreditava em tudo o que Jenny falava, e transformava os conselhos em coisas concretas. E sempre que alguém pedia pra ele correr, ele corria, e muito.

Em um ataque surpresa dos Vietnamitas, Bubba - um jovem que servia na mesma Unidade que Forrest - falou para ele correr. Ele saiu correndo, e depois disse: “Eu corri e corri, como Jenny mandou.”.

Um dia, sem nenhum motivo, Forrest decidiu dar uma corridinha. Correu até o fim da estrada, e quando chegou lá resolveu atravessar a cidade; e quando chegou lá resolveu atravessar o condado de Greenbow; depois atravessou o Estado do Alabama correndo sem nenhum motivo. - “Quando cheguei ao oceano resolvi voltar e continuar até chegar ao outro oceano. Já que tinha ido tão longe, resolvi dar meia volta e continuar correndo. Quando corria, eu só pensava na Jenny. E quanto mais eu pensava, mas tinha vontade de correr.”

“Na verdade, eu corria para chegar onde estava indo. Nunca achei que isso iria me levar a algum lugar.”

Ele correu durante três anos, dois meses, 14 dias e 16 horas, dá para acreditar? E só pensava na Jenny.

A corrida pela vida é infinita. Saber para onde se está indo é que é a grande dificuldade. Outro dia, precisei levar minha mãe ao Hospital dos Servidores, no centro do Rio. A cirurgia estava marcada para as sete horas da manhã. Levantamos cedo para chegar no horário, e às quatro horas da manhã reparei que a AV. Brasil já estava congestionada; muitos carros, muitos caminhões, e os ônibus que passavam por nós também já estavam lotados naquele horário. Para onde esse povo está indo numa hora dessas? Em busca de quê? No hospital, vi muitas pessoas doentes, semblantes frios. Gente triste. Sem sorriso. Pessoas solitárias. O caminho a pé, do centro da cidade até o hospital também é muito triste. Restos da noite, gente virada e, de novo, gente triste, pessoas solitárias.

Alguns correndo atrás do vento e outros que já desistiram de correr, e muitos outros, ainda, que já desistiram até da vida. Mas hoje Jesus Cristo tem uma promessa e um convite:

“Vinde a mim todos os que estais cansados de carregar suas pesadas cargas, e Eu vos darei descanso.” (Mateus 11:28) “... E o que vem a mim, de maneira alguma o excluirei.” (João 6:37)

Isso posto, desejo um novo dia para você e para os seus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe também, comentando!