sexta-feira, 18 de novembro de 2016

DOS DESAFIOS E DA FELICIDADE COMO VIAGEM
E NÃO COMO DESTINO


DOS DESAFIOS E DA FELICIDADE COMO VIAGEM
E NÃO COMO DESTINO
Por Denize Vicente

Num dia desses, já faz algum tempo, aceitei o desafio de passar um dia inteiro sem reclamar de nada.

No final do dia, quando, vitoriosa, contei a algumas pessoas que havia vencido, percebi reações variadas, e isso me levou a pensar bastante sobre esse assunto. Decidi compartilhar com vocês as minhas impressões:


Teve quem dissesse que também topava o desafio - afinal, não era muito de reclamar. E eu confesso que me surpreendi quando ouvi a pessoa dizer isso, porque eu mesma, por muitos anos, tenho tido toda a paciência do mundo para ouvir os seus desabafos. É alguém que quando você encontra tem sempre "mil coisas que não estão dando certo", pra reclamar e contar. É o marido que não é parceiro, o filho que só traz problemas, a vida que não está nada boa, o trabalho que tá angustiante, os amigos que não ouvem... Pois é. Mas a pessoa acha que "não é muito de reclamar"...

Às vezes, a gente nem se dá conta de que reclama tanto de tudo e de qualquer coisa - pensa que tá só batendo papo...

A gente não pensa naquilo que fala. E pensa que fala diferente.

Teve também quem dissesse: "Ah, isso é fácil!", mas nem cogitou de tentar passar um dia inteiro sem reclamar de nada; um único dia.

Também isso me fez pensar que às vezes não etiquetamos como "reclamação" comentários do tipo:
"Ai, por que eu tenho que acordar tão cedo!?"
"Caraca! Não dá pra parar de chover só um pouquinho não?"
"Que calor é esse? Ninguém merece!"
"Não aguento mais esse telefone, que não para de tocar!"
"Tudo eu, tudo eu!"
"Esse Faustão é um chato!"

A gente pensa que está apenas falando uma coisa. Mas, não! Isso é reclamação mesmo. E a gente nem sente.

Aí eu pergunto: é facinho assim, como se diz, passar um dia inteiro sem reclamar de nada??

Houve também quem dissesse: "Que máximo! Vou tentar também!" - bem consciente do exercício de autocontrole que precisaria fazer, mas com desejo enorme de praticar a paciência e a tolerância. Achei bem bacana. 

De tudo, o que mais me impressionou foi o impacto do desafio na minha própria vida.

Percebi que durante todo o dia eu fui mais comedida nas minhas palavras. Precisei pensar mais antes de falar qualquer coisa - e, veja bem, eu não sou daquelas pessoas que simplesmente falam o que vem à cabeça, alguém que fala sem pensar; mas sou rápida, falo bastante; e esse controle me fez ter uma fala mais pausada, uma voz mais macia, até. Eu via uma coisa que não me agradava, e em vez de reclamar procurava pensar no que eu poderia enxergar de bom naquilo; quando achava, eu falava do lado bom da coisa; e se não encontrava nada, ficava quieta mesmo. Eu gostei muito.

É um desafio. Não pense que é uma brincadeira. Porque nós vivemos muito pilhados, na pressão, com mil responsabilidades profissionais, familiares, emocionais. Dar conta de tudo é trabalhoso, e reclamar é muito prático. Às vezes, até alivia.

Repare que se você começa a reclamar de alguma coisa com alguém que também tem motivos para reclamar daquilo, a conversa flui e pode durar horas. Os argumentos se complementam que é uma beleza! E vocês cada vez falam mais rápido, com mais riquezas de motivos continuam reclamando, vão ficando estimulados a encontrar mais razões e fundamentos, e não se acalmam; ao contrário, a irritação vai só crescendo.

Outra coisa: experimente contra-argumentar com alguém que está reclamando de alguma coisa (não importa se você também teria motivos para reclamar daquilo), apresentando o lado positivo da situação. Experimente. É bem provável que o outro se choque. Talvez até a conversa acabe por ali mesmo. É... papo encerrado; mas, pelo menos, ninguém vai continuar reclamando... (Pode sentir orgulho, se isso acontecer. Você terá seus méritos.)

Quando digo que a felicidade não é um destino e, sim, um caminho, não estou brincando. A sensação de vitória ao final daquelas 24 horas foi muito boa; mas a felicidade, ao longo do dia, foi simplesmente incrível!


Hoje eu desafio você a passar um dia inteirinho sem reclamar. Repito: é um desafio; não uma brincadeira. Garanto que você terá muita coisa pra pensar durante essas vinte e quatro horas, e ainda mais coisas para refletir depois que o dia terminar. Talvez você descubra o caminho da felicidade.




“(...) Aprendi o segredo de me sentir contente em todo lugar e em qualquer situação, quer esteja alimentado ou com fome, quer tenha muito ou tenha pouco. Com a força que Cristo me dá, posso enfrentar qualquer situação.”
(Filipenses 4:12-13 - NTLH)




5 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo, Lucas. É um aprendizado. Somos, naturalmente, reclamões, com tendência para nos sentirmos infelizes... Precisamos aprender. Posso todas as coisas com a ajuda dAquele que me dá força.

      Excluir
    2. Precisamos aprender a estar contentes em toda e qualquer situação. Interessante que a palavra aqui é aprender, pois não nascemos sabendo ser assim, logo há a necessidade de aprendizado. Mas tudo podemos nAquele que nos fortalece. A vida dessa forma é resiliente.

      Excluir
  2. Nós nem percebemos nossas reclamações! É sempre mais fácil ver isso nos outros. Realmente é preciso exercitar!
    Desafio aceito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sucesso, Cris!
      Será um dia diferente. Vc vai ver.
      Sucesso!!!

      Excluir

Participe também, comentando!