quarta-feira, 7 de setembro de 2016

A ESCOLHA DE PEDRO

A ESCOLHA DE PEDRO
Por João Octávio Barbosa

Que maravilha, um feriado nacional! Todos nós sabemos o porquê dele, não é verdade? Mas eis aqui alguns detalhes que eu estudei, e que talvez você não saiba:

Em meados de 1822, um ano após seu pai, D. João VI, ter voltado para Portugal, Pedro (futuro D. Pedro I) estava sofrendo pressões dos portugueses para também viajar para A Europa. Havia uma escolha a fazer.

Entre voltar e ficar, Pedro decidiu permanecer no Brasil e proclamou a definitiva separação de Portugal, tornando o Brasil independente. Em homenagem a esse dia tão importante você está em casa hoje. Se você está trabalhando, pelo menos está ganhando hora extra. Se nem isso, bom, no seu caso, você nem precisa Temer a reforma do golpista, porque seus direitos profissionais estão prejudicados desde já. Pêsames.

  
Mas o então futuro primeiro Imperador do Brasil não foi o primeiro Pedro a fazer uma escolha difícil. Retroagindo mais ou menos uns 1.800 anos na História, chegaremos ao discípulo Pedro, que tinha uma posição de líder entre seus colegas apóstolos após a morte e ressurreição de Jesus. Por três anos e meio Jesus manteve um grande grupo de seguidores, mas um time menor, mais seleto, mais íntimo, de doze homens, que chamou de “apóstolos”.

Esse grupo fica desfalcado após a traição e o suicídio de Judas Iscariotes. Essa lacuna soava errado... Tudo fora vivido e planejado na expectativa de que esse grupo de doze homens continuasse a obra de Jesus. E eles estavam se sentindo incompletos. Pedro sentiu-se na incumbência de resolver esse incômodo. Apenas 100 segundos e você lê Atos 1:15-26.


Matias é nosso Perfil Sem Curtidas de hoje. Com todos os méritos, diga-se de passagem. Quantas pessoas sabem que ele foi discípulo de Jesus? Poucos, até entre os que leem a Bíblia regularmente. Muitas pessoas afirmam que, na prática, o substituto de Judas como 12° homem foi Paulo, pela sua extensa obra. Mas em passagens de Atos, e até nos livros do próprio Paulo, o grupo de 12 apóstolos permanece sendo citado sempre sem incluir Paulo.


Matias existiu e foi importante. Só não sabemos no quê. Afinal, individualmente, ele não é citado na Bíblia mais nenhuma vez. O trecho que lemos (espero que você tenha lido, ainda dá tempo, está no link ali em cima e aqui outra vez) mostra que Matias não estava à toa, na disputa. O requisito principal, veja o verso 21, era ter estado com Jesus nos três anos e meio de ministério, desde o batismo de João Batista. Jesus tinha muitos seguidores (no momento da escolha de Matias havia 120 pessoas presentes), e não só os 12 discípulos. Matias e outros faziam parte de uma espécie de “cadastro de reserva” para o concurso público “apóstolo de Jesus”.

Além disso, para entrar nessa vaga ele passou pelo crivo da orientação de um Deus que é “conhecedor do coração de todos” (verso 24). Após a oração para que a escolha fosse aprovada por Deus, os próprios participantes da reunião ratificaram o processo de escolha através do voto comum (versos 23 e 26).


Com tudo isso em vista, dá para ter fé de que a obra realizada por Matias neste mundo para a divulgação do evangelho de Cristo tenha sido de grande valor. Apesar de não sabermos quase nada sobre ela, não deixou de ser o suficiente para que “Matias” seja um nome que aparecerá em um dos “doze fundamentos do muro da cidade” santa, a Nova Jerusalém (Apocalipse 21:14). Nem mais, nem menos do que Pedro, João, Tiago ou Mateus.


A Bíblia é cheia de nomes. Todos têm alguma história. Algumas histórias maiores, outras menores. A de Matias é muito interessante, mas muito discreta. No entanto, não deixa de servir para a gente. O homem que venceu a disputa contra outro que se chama “José Barsabás, o justo”. Matias se sagrou melhor do que o justo. Pouca coisa para você?
        
Não peço que concordem, espero que reflitam!





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe também, comentando!