terça-feira, 13 de setembro de 2016

PERDÃO INFINITO - Parte 2



PERDÃO INFINITO - Parte 2
Por Airton Sousa

Se o perdão é infinito o texto também tem que ser. E eu, malandramente (ops!, me perdoe...), dividi o texto que comecei semana passada em mais de uma parte, pois na primeira parte eu falei sobre o perdão que Deus nos oferece, e hoje eu gostaria de falar do perdão que podemos oferecer aos nossos semelhantes, inimigos e outros que erram conosco.


Encontrei algumas definições e frases bem legais para a palavra perdão. Por exemplo, na Wikipédia: “O perdão é o ato de se desprender do ressentimento. Vem do coração, é sincero, generoso, e não fere o amor próprio do ofensor. Não impõe condições humilhantes, tampouco é motivado por orgulho ou ostentação. O verdadeiro perdão se reconhece pelos atos e não pelas palavras.”.


Perdão não é uma escolha; é uma ordem:
"Tomem cuidado. Se o seu irmão pecar, repreenda-o e, se ele se arrepender, perdoe-lhe. Se pecar contra você sete vezes no dia, e sete vezes voltar a você e disser: ‘Estou arrependido’, perdoe-lhe." (Lucas 17:3-4).

Mas tem que ser muito bobo pra perdoar sete vezes! Imagine setenta vezes sete!! Uma vez, a moça me disse que “não é bem assim, pois o perdão é processo e quem perdoa é Deus...”. A questão é: quando eu peço perdão a Deus, eu desejo que esse perdão seja “imediato”, que Ele lave minha alma e me modifique e me cure, mas quando eu tenho que perdoar alguém... isso vira “um processo”?

“’Senhor, quantas vezes deverei perdoar a meu irmão quando ele pecar contra mim? Até sete vezes?’. Jesus respondeu: ‘Eu lhe digo: não até sete, mas até setenta vezes sete’." (Mateus 18:21, 22).


“Senhor, perdoa nossas dívidas assim como nós perdoamos aos nossos devedores.”
 Nós quem?
“Você vai me pagar...” “Eu vou dar o troco.” 

“Quando Jesus orou: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem, ele não estava dizendo que elas eram inocentes. Ele simplesmente estava dizendo que não tinha nenhum sentimento de amargura ou vingança.”
(Momentos de Glória, página 333)

Muitas vezes nos achamos no direito de não perdoar, por acharmos que somos melhores que os outros. Não somos.

- Amigão, Fulano não vale nada.
A Bíblia responde:
- Você também não vale nada.

- Fulano tem que pagar o que fez.
A Bíblia responde:
- Ele não vai pagar. “Alguém” já pagou.

Já parou pra pensar que Jesus Cristo veio e morreu pelos outros pecadores também? Até aquela baixinha fofoqueira que você odeia e acha que ela só quer o seu mal. Ela não deve nada. Alguém já pagou por ela. O assassino, o ladrão, o seu inimigo, aquele pilantra... Pasme! Alguém veio e morreu e perdoou os seus pecados.

Se na semana passada a gente entendeu sobre o perdão infinito, hoje é dia de liberar o perdão.

Se você foi ferido, ou magoado e ainda não perdoou, tome essa atitude de perdão. Perdoar faz bem à saúde.


Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros.” (Colossenses 3:13).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe também, comentando!