sexta-feira, 3 de junho de 2016

QUANDO FOI QUE EU TE VI SEM ROUPA?


QUANDO FOI QUE EU TE VI SEM ROUPA?
Por Denize Vicente

Em dezembro do ano passado li uma história contada por um padre, sobre um lance que aconteceu com ele. Guardei nas minhas anotações aquela narrativa e hoje vou reproduzir uma parte da história, pra você:

“O travesti, ela veio, com um vestido longo e falou pra mim: 'O senhor costuma tirar fotos com pecadoras?'. E eu percebi que tinha uma ironia ali. E eu respondi: mas é claro! E abracei ele e tiramos a foto. Antes de sair, ele disse: ‘eu não acredito que o senhor permitiu’. E os olhos dele estavam emocionados. Assim que ele saiu, Maria Helena, a irmã da Alcione, me contou a história. Ela disse que ele mora na Lapa e criou um grupo que alimenta e recolhe todos os miseráveis daquela região. Ele dá banho, alimenta, não tem nojo de ninguém. E faz de tudo para aquela pessoa retornar à vida. E não é só isso. Ele torna-se uma espécie de vigilante, protegendo os moradores...".

Hoje eu não quero falar muito... Mas queria que a gente pensasse bem.

Quantas vezes nós, que parecemos ter entendido a mensagem de Jesus Cristo e por isso nos tornamos cristãos, nos importamos, verdadeiramente, com o próximo? (experimente trocar a palavra “próximo” por “miserável”, por “morador de rua”, por “doentes no hospital”). Quantas vezes? Quantas vezes a gente se dispôs a dar banho e alimentar um estranho, sem “nojinho”? 


Pois é... não vamos responder nos comentários aí embaixo - porque pra uma vida inteira de 20, 30 ou 40 anos, o número de vezes que a gente vai falar não vai ser nada animador.

A gente tem a desculpa (ops! a justificativa) do perigo das ruas, da violência e tal, e eu nem vou entrar no mérito dessa questão, porque cada um sabe a realidade em que vive. Mas nos hospitais, por exemplo, se encontram pessoas miseráveis e sofridas - e sem correr qualquer espécie de risco a gente poderia amá-las, cuidar delas, alimentá-las... Mas quando foi a última vez que a gente fez isso?

Aquele travesti, que só queria uma foto com o padre e nem imaginou que a teria, deixou uma lição e tanto, pra gente, sem nem saber. Talvez se a gente o visse na rua sentisse alguma espécie de desconforto, por ele ter uma aparência diferente... Mas que lição! Que “tapa na cara”, como disse o padre contando sua história. E não se deixe levar pela ideia de que são meras obras. Ninguém faz esse tipo de obra se não tiver amor.

Sabe, nem sempre estamos dispostos a cuidar de alguém doente, faminto, drogado... Essa é a verdade. Nem sempre seguimos o exemplo que Cristo deixou. E, no final das contas, amar e servir fará toda a diferença.

Mateus 25: 31-46.
Leia esse texto na sua Bíblia. Você pode clicar AQUI, se quiser ler agora.
Eu destaco os versos que vou transcrever a seguir. Mas gostaria muito que você lesse o texto completo. Pra que a gente leve essa coisa de amar e servir um pouco mais a sério.


Quando o Filho do Homem vier como Rei... 
dirá aos que estiverem à sua direita:
“Venham, vocês que são abençoados pelo meu Pai!
Venham e recebam
o Reino que o meu Pai preparou para vocês 
desde a criação do mundo. (...)”

Depois ele dirá aos que estiverem à sua esquerda:
“Afastem-se de mim,vocês que estão debaixo da maldição de Deus! (...)”

Leia Mateus 25:31-46 e entenda por que a diferença.
E entenda o título deste post.



2 comentários:

Participe também, comentando!